29 May 2017

d'isto

Eu não sei se em alguma altura me disseram: olha que vai ser assim! mas se disseram não me lembro... ou fiz por esquecer porque muitas vezes as coisas não são o que imaginávamos que iam ser.  Noto que recentemente falei disto: do que eu imaginei que ia ser, e se volto a ter o impulso de escrever sobre isso é porque me inquieta, somehow... Podia atribuir a repetição de temas à falta de inspiração ou de tempo, mas não. Se pensar sobre o assunto facilmente concluo que o futuro não vem aí. O futuro é agora e eu já sou aquilo (ou não) que imaginei - já estou nesse tempo. E aquilo que pensei ou idealizei ou temi, tudo isso sou já eu e é a minha vida. Não há mais especulações.

Salvo uma desgraça, acho que cheguei a estado plateau [a state of little or no change following a period of activity or progress.] Sou isto. A minha vida é isto. Acabaram os ses e os talvez um dia. Se podia ser diferente? Podia! Se podia ser melhor ou pior? outro tanto! Mas é isto. E sinto que estou em constante análise d'isto. É normal ou uma crise de meia idade? O medo da morte nos apanhar desprevenidos numa curva próxima? A tentação de abdicar de qualquer coisa para ir ser mais feliz? O comodismo de não me mexer? O cansaço e a inércia de tentar mais qualquer coisa? A falta de um desafio? Não sei, mas sei que a minha vida é isto, agora.

Acordamos cedo. 4 pequenos almoços, banhos, livros e boa escola para onde levar 3 filhos. Beijinho beijinho e chispem daqui. Café, banho, escolher roupa, carro e rímel nos olhos. Uns minutos de trânsito, música bem alto e trabalho. Café. Com ou sem sucesso, mais ou menos divertido, dias de merda e outros de i rock. Almoço a correr. Café. Telefone, email, mensagem papéis, contas e relatórios. Arrumar, pôr na carteira papéis, café e sair. Pega de motorista, apanha 2 no estádio, um na escola, ou 3 na natação ou tudo na escola. Mais trânsito, contra corrente e tempo contado. Música no carro, como foi o dia?, 1 que adormece e 2 que discutem. Carro na garagem. Ou manda subir e saio em compras ou trabalho, ou subo também. Trabalhos de casa e revista às mochilas, estuda com uns, sossega outros. Banhos, computador, só mais umas coisinhas enquanto veêm uns bonecos. Jantar que a N. preparou, com carinho, que esta é dessas e é para manter. Discussões sobre cartas ou spinners, canais de tv ou lutas de almofadas. Mães ao telefone, conversa de parvas ou palermas ou 3as famílias. Descer, lavar dentes, beijinho beijinho e agora durmam. 20.30 e já ressonam. Mais computador, um candycrush e um bocado de instagram, se houver vinho vai-se abrindo. Garfadas sem me sentar, ai que quando chegar o B. estou quase jantada. Hora da porcaria da dispensa arrasta tanto quanto a demora. Chega o B., jantamos ou nem por isso se a hora já passou. Computadores abertos, tv ao fundo, B. no chão e eu já morro num sofá à espera. Mais um bocado de Pinterest. Cama, beijo beijinho e amanhã cá estaremos de novo. É isto.

E d'isto, há dias em que quero fugir e outros em que é tudo o quero. Vá-se lá perceber ou não é suposto?
Percebermos, isto é...




Oh simple thing where have you gone?
I'm getting old and I need something to rely on
So tell me when you're gonna let me in
I'm getting tired and I need somewhere to begin

And if you have a minute why don't we go
Talk about it somewhere only we know?
This could be the end of everything
So why don't we go
Somewhere only we know?

Keane

No comments: